sexta-feira, abril 19, 2013

SAIR DO EURO SERIA MORRER MIL VEZES

«Não gostaria de ser desmancha-prazeres mas, pelo sim pelo não, acho que seria melhor alguém perguntar aos empresários se acham que a saída do euro é a melhor maneira de recuperar a economia... Eles são as pessoas que vivem do mercado internacional e seriam os primeiros a querer ganhar dinheiro com a desvalorização dos nossos produtos... Mas não pedem o regresso do escudo. Por que será? Arrepiante o "Prós e Contras" de segunda-feira, na RTP, sem um único empresário. Que João Ferreira do Amaral insista na tese, teórica, de que a saída é a solução, é democrático.
Mas a partir daí é o delírio. Jorge Bateira, economista da esquerda ortodoxa, aproveitou o programa para propagandear uma nova economia planificada pelo Estado, assente no milagre da produção de notas ilimitadas pelo Banco de Portugal e na qual pagar as dívidas do país é a utopia mesmo à mão. É barato e dá milhões. A Albânia, a Bulgária ou a Ucrânia emitem moeda. São ricos? Competitivos? Uma ruptura com a Europa, em nome dos pobres... Os pobres, que com o fim da moeda europeia comprarão ao dobro do preço os importados medicamentos, cereais que fazem o pão e tantos outros alimentos. Claro, ressurge então o mito do Portugal autossustentável, o regresso à agricultura: sim, é uma boa ideia. Mas vai demorar anos. E muitos problemas para concretizar - o salazarista Alentejo 'celeiro' do país, irrigado pelo Alqueva para produzir desastrosamente 'pão' de regadio em terras de sequeiro. Ou os férteis terrenos litorais onde agora não há couves nem tomates mas sim urbanizações. E agora, as cidades comem o quê? E depois, os mitos do novo escudo. Mito 1: 'dinamizar o investimento'. Questão: como se reindustrializa Portugal com máquinas industriais a custarem o dobro do preço? Mito 2: a desvalorização competitiva para exportar... Só uma pergunta (sem querer atrapalhar os académicos): quantos meses dura? E a inflação galopante a destruir rapidamente a desvalorização e os saláros? E as taxas de juro (impossíveis de calcular neste momento)? Enfim, sem o euro, os amanhãs cantarão... Fome, mais desemprego, dívidas em euros apesar de salários em escudos, depósitos bancários desvalorizados para todos ('Chipre' é uma brincadeira comparando com isto), fronteiras bloqueadas para evitar a fuga de milhares de portugueses... Obviamente Portugal tem de se preparar para este cenário de saída do euro caso não consiga encontrar uma liderança que mobilize trabalhadores e empresários - além de precisar de contas mais direitas no Estado. Mas daí até sermos nós a atirarmo-nos de cabeça para o abismo a fim de sentirmos a suprema liberdade do nosso destino (o prazer do voo!), ignorando a terrível queda, é demencial. Até porque não é verdade que a alternativa seja apenas a de nos rendermos à fórmula recessiva, falhada, da troika. Há outra hipótese. Está dita e escrita em muitos lados, discutida até à exaustão: a Europa criou uma moeda única, estabeleceu limites para o défice mas não estabeleceu um mecanismo que permitisse aos países sobreviver num momento de hecatombe económica. Esse mecanismo chama-se 'eurobonds'. Ou seja, dar a possibilidade de obter financiamento nos mercados mundiais a taxas de juro decentes (usufruindo da solidez, em bloco, da economia europeia). Nem sequer precisamos do dinheiro alemão: precisamos é de continuar a aceder ao dinheiro mundial que comprará eurobonds europeias. Isto, obviamente, com rigor nas contas, menos défice, mas também mais tempo para endireitar a economia. Infelizmente Merkel não quer e Gaspar, Rajoy, Hollande e os italianos não ousam. E é nas eurobonds que o nosso futuro se vai decidir. Porque ou a Europa se salva a si mesma ou é o caos. Era útil, no entanto, que neste compasso de espera os portugueses não optassem pelo suicídio político, coletivo, indo atrás do canto da sereia das 'facilidades' do escudo. Por mim prefiro Portugal na primeira divisão do Mundo, ainda que com dificuldades durante uns anos, que ser campeão do campeonato de amadores.» Daniel Deusdado

2 comentários:

Floribundus disse...

a dívida é em euros

Anónimo disse...

O Senhor Doutor Ferreira do Amaral, com o devido resapeito, que preconiza a saída do Euro, deve ter muito dinheiro nos offshores ou no estrangeiro, pois só assim se compreende que queira a saída do Euro. Ele está bem calçado e os outros que se amolem. Os portugueses que iriam ficar privados de tudo depois vão à casa do Senhor Doutor e de todos os que querem a dita saída buscar a reforma ou os ordenados ou salários, assim como às sedes dos partidos políticos que andam a tentar vender esse "vigésimo premiado"