segunda-feira, agosto 26, 2013

A CONTAGEM DOS CORPOS

Custa-me ver portugueses a alegrar-se com a perda de outro português, António Borges, com valor reconhecido internacionalmente, apenas porque viveu as suas convicções a fundo, sem o cínico diplomatismo dos que deslizam no grande trânsito existencial sempre de bem com Deus e com o Diabo. E em que é que Borges acreditava? Numa sociedade de mérito, na livre concorrência, numa pitada de darwinismo económico por oposição ao assistencialismo estatista-socialista alargado, bastante corrupto e decadente, o qual, depois de minar o autonomismo individual e a responsabilidade pessoal, tarde ou cedo, conduz os países à falência. Então por que fazem festa e atiram foguetes os que, conotados com uma certa Esquerda Primária e Imbecil, se habituaram à contagem de cadáveres adversários?! Vingança? Mas adianta? No limite, não haverá aí, camaradas, uma base humanística mínima, sem Esquerda e sem Direita, sem Liberalismo nem Socialismo, que jamais celebre a morte de um adversário ideológico?! Que os presos políticos e os mortos políticos de Fidel Castro vos perdoem, se puderem.

1 comentário:

José Domingos disse...

O caminho do socialismo, é assim. Não se permite,que se saia do rebanho, sem a autorizaçlão do comité central, da "elite" nacional, vinda do 25A e de esquerda, claro. Se este Senhor, fosse de esquerda, eram só hossanas do jornalismo de merda, cá do burgo e também dos arregimentados do costume. Como era acima de tudo um patriota, há que denegrir.
Alguma esquerda é assim, ordinária, sabuja, labrega e acima de tudo estatizada.
Cumprimentos