quinta-feira, agosto 29, 2013

A PIRA QUE INCINERA BOMBEIROS

Estou angustiado com o vai por aí de ignições. Ainda ontem, ao início da tarde, logo ao sair de Braga rumo ao Porto [sempre pela nacional 14, pronto para o único estrangulamento empata automobilistas com que nos deparamos na Trofa], um fogo devorador patenteava-se-nos num monte fronteiro. Uma colossal coluna de fumo negro; o helicóptero da praxe voluteando com a sua pinga de água. Um cenário que me fez omnipresente e terrível a destruição do nosso património verde e sobretudo de vidas, neste Agosto aziago. Basta! Sim, há pirómanos. Mas o problema reside sobretudo na ganância secular do eucalipto e na preguiça dos poderes públicos em gastar os milhões necessários à prevenção activa de incêndios, pela limpeza, também compulsiva, das matas, o que dita um número insuportável de bombeiros mortos, este ano. Insuportável é insuportável! Tirem conclusões. Ajudem aqueles homens e mulheres. Dêem o sangue por eles que dão o litro por nós! E será de menos.

1 comentário:

A. João Soares disse...

Partilho da mesma angústia e deixei no post

FOGOS FLORESTAIS. LIMPEZA DA FLORESTA

Há cerca de 50 anos pretenderam obrigar ao emparcelamento da propriedade rural por forma a deixar de haver minifundios e apenas passaria a haver empresas de dimensão rentável, e em cada dessas empresas cada proprietário contribuinte ficaria com uma quota correspondente ao valor atribuído à sua parcela. Então já poderia ser imposta a limpeza à respectiva empresa. Enquanto isso não for concretizado deverá ser a autarquia a preservar a riqueza colectiva constituída pelo bem comum das áreas verdes.

Cumprimentos
João