sexta-feira, agosto 17, 2012

SOB O DESLUMBRAMENTO DOS TEUS OLHOS

Uma escarpa estendia-se à direita;
à esquerda, uma ervagem ia docemente alcançar uma colina socalcada,
onde se vislumbravam vinhedos,
nogueiras,
um moinho na verdura,
e pequenas veredas mais além,
formando ziguezagues na rocha branca
que tocava na borda do céu.
Que felicidade subir lado a lado,
o braço em redor da tua cintura,
enquanto o vestido varre as folhas amarelecidas,
escutando a tua voz,
sob o deslumbramento dos teus olhos!
À minha vontade, o barco poderia parar,
apenas teríamos que descer;
mas esta coisa tão simples não era,
todavia, mais fácil que agitar o Sol!

Sem comentários: