terça-feira, agosto 14, 2012

PS E A ELEFANTÍASE CRESCIMENTISTA

Tem sido nauseante suportar a retórica pantanosa oposicionista socialista. Após anos de dívida enquanto tempestade perfeita, esta insistência no crescimento económico é um passe de paleio que nunca surge fundamentado em qualquer coisa de verosímil. Aliás, a má consciência obrigaria esse partido ou a pedir desculpa ou a calar-se para sempre como no ritual do casamento. Quinze anos de socialismo representaram um refinamento do apetite pelo poder como estupro ao Erário Público e uma instalação massiva das suas clientelas, como piolhos, nos interstícios do Aparelho de Estado, sem e sem apuramento das luvas que nos levaram ao tapete. Certo é que após esses devoristas reles da Esquerda Rapace, chegaram estes Sádicos Aprendizes de Feiticeiro, colocando o País sob os elogios das agências de rating por causa do cumprimento escrupuloso do plano de austeridade e da implementação das reformas estruturais, enquanto estas nos apunhalam com vigilância negativa, isto é, juros de morrer, pela decorrente e natural recessão económica. Nós, portugueses, não enfrentamos a mais que certa pobreza. Resvalamos para a miséria a passo de corrida e com os culpados em férias vitalícias. Em certos casos, bastaria o exercício da mais elementar solidariedade para minimizar os danos, as perdas, a desordem que tudo isto nos comportará. Falo por mim: com o mais que certo desemprego docente no horizonte, não consigo sobreviver. 

3 comentários:

Grego disse...

caríssimo, o teclado de um telemóvel padece de insuficiência volumétrica que me permita digitar algo que se constitua no emiucado, profundo, corrosivo e contundente comentario que este teu exercício de clausura mental pseudónimo-estalinista, pintado a preceito de laranja, merecia. sinceramente, preocupa-me mais este teu "novo" e agudo sectarismo, que ignora o passado, meandra infatigavelmente entre os residuais monolitos dar verdade, que vegeta profusamente na imprecisão analítica, e que defeca monstruosidades ideológicas, do que a tua situacao profissional, que há-de com certeza melhorar, não obstante os épicos esforços que os teus "paladinos dar verdade" têm empreendido para a piorar.

Joaquim Carlos disse...

Deus te oiça, meu caríssimo Pedro. Quanto ao que eu escreva, não tenho inovado grande coisa e bem sei que há uma razia em decurso. Compreendo-a na medida em que dinheiro não há. Já não há.

Grego disse...

Se existe semelhante entidade, então que me responda. A razia também me toca a mim. E nem Deus, nem Passos me dão resposta.