sexta-feira, abril 27, 2012

AO CAMARADA APÓSTOLO PASSOS

O camarada primeiro-ministro Pedro Passos Coelho nem imagina o impacto psicológico da critica que hoje fez aos mais poderosos e favorecidos pela «enorme injustiça» de estarem a criar obstáculos à mudança. Não podia ter sido mais claro: «As escolhas que, no passado, foram privilegiadas e que criaram núcleos de privilégio injustificados, mercados protegidos, rendas excessivas, contratos desequilibrados para o Estado e o contribuinte, terão de ser resolvidos rápida e decisivamente». Sim, é o pescoço do Camarada Passos-Relvas. Saiba o camarada Pedro Coelho o nojo que nos era inoculado pelo até aqui silêncio governamental em face de tal dualidade e arrastada ambiguidade. Óbvia vai a resistência sonsa à respectiva quota de sacrifícios e abdicações precisamente por aqueles que fatalizam forçoso termos de passar fome e dificuldades, vivendo eles bem à larga, como sempre viveram. Mostrar-se o Camarada Passos sensível, ainda que simbolicamente, às nossas expectativas quanto a um sentido de justiça, nesta hora, era de suma importância e, não sei porquê ou talvez saiba, tardou de mais. Ouvimos as palavras. Falta ver operativa a boa-vontade do Governo no sentido da rápida renegociação dos contratos das Parcerias Público-Privadas e da redução das rendas excessivas do sector energético. No momento em que, por fidelidade aos Portugueses [que deveria ser espontânea, mas decorre de mil pressões e mil protestos nossos], o Governo for salomónico na austeridade, outro galo cantará. A bem do conjunto nacional, já que começou pelo lado mais fácil e inerme, regresse-se a um mínimo de sintonia entre o grosso dos portugueses interessados na sustentabilidade e realismo do Estado e o Governo do Camarada Apóstolo Liberal Passos. Talvez cesse a crassa perplexidade que nos devorava.

Sem comentários: