quinta-feira, abril 19, 2012

EU EMPRESTO UM ISQUEIRO

Custa-me ver excesso de força e excesso de zelo em questões que mereceriam máximo bom senso e para as quais, já agora, falta esclarecimento suficiente que nos elucide: tem razão quem resiste, na Escola da Fontinha, ou tem razão que a evacua e despeja, Câmara Municipal do Porto? Em qualquer dos casos, se for preciso fazer reuniões e fumar um cachimbo pacífico entre partes, como deveria ser, eu empresto um isqueiro. Também o emprestaria para acender uma justa e legítima revolta contra quem rouba os contribuintes e continua a rir ou contra quem pensa que, em Portugal, estamos por tudo e resistimos a toda a sorte de esbulhos. Isto é Portugal: Nenhum pai se suicida. Nenhum mendigo se interrompe. Vai-se morrendo.

2 comentários:

floribundus disse...

o okupas funcionam sempre à margem da lei
para mim são marginais
querem escândalo

a mac é a mesma história

nos noticiários das tvs não há espaço para pessoas decentes

Anónimo disse...

Neste caso o okupas estavam a desenvolver uma obra meritória, pergunte-se à população da fontinha, pena tenham caido na ratoeira montada por Rui Rio. Afinal o que são 30 euros?