sexta-feira, abril 20, 2012

GASPAR DEVE SER EVITADO OU IMITADO?

Longos anos pelos corredores da política e da economia internacionais fazem de Gaspar experiente em Mundo e inexperiente em Portugueses. Mas em todo o caso não mente nem erra quando garante à estrangeirada do dinheiro e da grande modelagem informativa global que somos um Povo absolutamente disponível para se sacrificar tendo em vista o heróico evitamento de males maiores, como os da Grécia, um Povo duro e inesgotável no combate pelo equilíbrio orçamental. Como já não temos o pára-choques agrícola, nunca tivemos e nunca pudemos aspirar aos rendimentos dos europeus mais prósperos, nem temos as matérias primas dos russos, angolanos ou dos brasileiros, só temos gente, restam-nos vários êxodos. O êxodo emigratório para quem puder. O êxodo degradatório, mendicância de rua, para quem tiver estômago. O êxodo do desespero silencioso e, alívio dos alívios, o êxodo da morte. A Troyka e os esmifradores da Segurança Social já estão a tratar disso.

3 comentários:

Anónimo disse...

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, disse na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, que Portugal oferece “uma lição de moral” a todos aqueles que defendem o aumento da despesa pública para estimular a economia. Foram as “políticas fiscais expansionistas” do anterior governo socialista de José Sócrates que conduziram o país a um défice orçamental “insustentável” que desencadeou uma crise e o pedido de ajuda financeira a entidades internacionais, disse Gaspar num debate no âmbito dos encontros bianuais do FMI e Banco Mundial.

Anónimo disse...

Vitor Gaspar disse mais, disse que o Povo português concordava com as medidas de austeridade, eu não!

Floribundus disse...

esta republiqueta precisa mudar de mentalidade
mesmo assim duvido que tenha futuro