quinta-feira, julho 26, 2012

FACTOS DE «ANDA COMIGO VER OS AVIÕES"


Toda a gente se apaixona pelo poema e pela música «Anda Comigo Ver os Aviões» e a coisa é, talvez, de meados de 2011. A menina de três aninhos canta-os escaroladamente. A adolescente, com os ouvidos sempre preenchidos pelo verdadeiro alter audio, com todos os sucessos musicais-universais em Inglês, também os canta e articula, com arte, cada verso, como se os mastigasse. A avó interessa-se por eles, música e poema, e pede que os netos lhos expliquem com pormenor. Mesmo o avô, que ouve mal, e o pai, de bela voz, cantam aqui e ali os primeiros versos entre sorrisos de incontido embevecimento. Os casais entreolham-se, de olhar húmido, ao ouvi-la na Rádio ou no PC, coisa a que também não resistem imigrantes brasileiros e brasileiras ainda resistentes por cá. A Porto Canal usa-a num gingle autopromocional, promotor simultâneo das belezas ímpares da nossa cidade. De que é que está à espera o Brasil inteiro para se apaixonar por ela também?! Tenho enviado e-mails com o vídeo para os meus Amigos de Lá, numa tentativa, até agora sem retorno, de seduzi-los para ele, poemúsica. Adoraria que a América fosse trazida até cá e a Os Azeitonas, mesmo extinta, dissolvida ou transformada a banda, só por causa desse naco de sublime, sacado por um evidente e inspirado talento que toda toda a gente.

Sem comentários: