quinta-feira, julho 19, 2012

O PENACHO FÁCIL DE DESPEDIR

Difícil é que um político no exercício de funções executivas dê o exemplo ou que, em vez de perseguir e oprimir cidadãos com Fisco, com o humilhante controlo apertado de desempregados e doentes crónicos sob baixa, comece por se moralizar, policiar e perseguir a si mesmo, aos seus colegas chulos e ladrões na administração de dinheiros públicos, aos seus corruptos amigalhaços, os quais, mesmo sendo de outro partido, por exemplo o PS, o PSD, porque é frouxo e sistémico, protege sistemicamente. Até prova em contrário, o desígnio facílimo de este Governo em baixar a despesa para Troyka ver passa e passará por despedimento esmagador e covarde de professores, passa e passará por excesso de horas e excesso de alunos por turma, menos turmas, menos docentes, sobrecarga e desqualificação do trabalho dos que permaneçam, depois sujeitos a "avaliação", com trinta meninos apertados numa sala. Estou, a partir de hoje, oficialmente desempregado e, como desde há dezasseis anos, desconheço o meu futuro imediato. Tudo bem. É a vida. Talvez o meu zelo nem sempre tenha sido o mais absoluto. Outros tempos. Mas tenho cumprido escrupulosamente todos os meus deveres de professor, amado a docência e acalentado tantos laços felizes e calorosos com colegas e alunos, todos os anos interrompidos. Nem sempre as coisas me correm bem. Entre o desemprego pontual ou o ganho de miséria, vem o diabo e escolhe que estiole de todo o modo. Mas resisto. Passa-me, aliás, pela cabeça que enquanto eu e milhares somos processados pelo MEC como coisas que atrapalham e pesam na Despesa, tudo correrá bem a Isaltino, tudo correrá bem a Vara e ao grande feixe de cretinos que decidiu e legiferou em seu próprio benefício, quando em anteriores Governos, porventura agora neste. Se há um leitor com ódio aqui ao escriba apenas porque escrevo conforme penso e se não sou, como milhares não são, um professor seguro e tranquilo, e que isso só pode ser porque sou «escória» e «reles», bom proveito com a descoberta da pólvora e a suposta amostragem do meu cu. De facto, eu aqui nunca enganei ninguém. Precisamente. A qualquer zeloso detractor-escrutinador do PALAVROSSAVRVS REX, à falta de uma vida própria, a minha serve. Bom proveito.

3 comentários:

Elisabete Pinto disse...

É assim mesmo. Tomates no sítio e chamar os bois pelos nomes. è uma vergonha este país. Que a mão com que escreve nunca lhe doa.

Miguel Loureiro disse...

Mas está a abrir os olhos e a ver melhor...

bibónorte disse...

Um bem haja para ti, caro colega! Gosto da tua escrita e concordo, na maioria das vezes, com o o que postas. Que a vida te sorria, é o que te desejo.
Abraço