sexta-feira, novembro 16, 2012

NA PRIMEIRA LINHA DO ARREMESSO DAS PEDRAS

Quando Seguro fala em emprego e em crescimento, os meus olhos rebrilham de esperança
e a minha boca saliva de «apoiado perante esse abracadabrês populista.
Uma coisa é discordar, outra bem diversa, sabotar. Ora, o PS está a colocar-se no lado diletante da política, torneando com falinhas mansas toda a gravidade da situação financeira e económica do País, outra forma de atirar pedras à realidade nua e crua. Este não é o tempo de, por puro cálculo e hipocrisia, permanecer do lado do problema. Quando Seguro fala em emprego e em crescimento, os meus olhos rebrilham de esperança e a minha boca saliva de «apoiado!» perante esse abracadabrês populista. A situação exige muito mais, embora o PS não esteja à altura, talhado que está ou para foder com as contas do Estado ou para engonhar soluções e vir com os Galambas e os Basílios armar em compadecidos e chocados e outros estados de alma virginais. O PS, antes de vir arrasar com a Troyka deveria arrasar consigo mesmo, incapaz de assumir o ónus por um caminho trágico e incapaz de assumir com suficiente coragem a quota parte de responsabilidade por medidas impopulares incontornáveis. É tão fácil ser socialista, tão confortável ser do Partido Socialista, garantia de se estar invariavelmente no lado certo, o lado fácil.

3 comentários:

Grego disse...

E é tão difícil ver o país na merda, e continuar do lado errado!

Floribundus disse...

é um 'jarrão' muito decorativo.
ainda sonha com a urss

Grego disse...

Se não fosse o PS a te-los no sítio, se calhar estavas a falar russo!!!!