domingo, novembro 04, 2012

RIGOROSAMENTE NADA MAIS OBSCENO QUE O PS

Os estrategos-diabo do PS, nos seus fora e blogues de conspirar e anunciar o fim do mundo pela mão de Passos-Troyka-Merkel, fariam o quê diferente de Gaspar?! Nada. O PS não emite absolutamente nada. Fecha-se em copas quanto a uma reforma das funções do Estado porque está instalado nele como suprema sanguessuga do Regime. Depois de Portugal ter execrado e abominado José Sócrates, deram-lhe outra personagem para abominar, Passos Coelho. Para o PS, Passos Coelho é uma aberração e faz tudo mal. Foi preciso o sr. dr. Soares ficar decepcionado por lhe terem cortado as subvenções com que paga e assiste uma legião de amigos e fiéis, para Passos o ter contra si, tendo contra si toda a Seita de Reformados e Subvencionados Políticos do Regime. De acordo com eles, Passos não pode ter a mais pequena ideia do que será essa coisa de refundação do Estado. Não bastava o papel maligno jogado pelo PS, junta-se-lhe Marques Mendes, a fazer de porta-voz oficioso do Governo e a aludir ao trabalho reformador que o FMI está a fazer em Portugal: visto de fora, Portugal deve ser um País economicamente raquítico mas com egos e estômagos instalados no Estado, os quais comem e sempre comeram pela máxima medida. Nunca nenhum Governo afrontou, por nosso amor, esses egos e esses estômagos. Nós, que temos mais autoestradas e universidades do que automóveis e estudantes, nós, que exportamos cientistas e semeamos desemprego massivo entre licenciados, nós, que só tardiamente expelimos ladrões imbecis dos Governos, evidentemente que sim, precisamos que Lagarde nos salve da grosseira devastação, colonização e exploração que o PS produziu em Portugal, metido que está em todos os interstícios do Aparelho de Estado. Qualquer povo que ainda tenha orgulho de si próprio manda foder o PS no plano eleitoral e acolhe de braços abertos os que vêem à distância as causas da nossa anemia económica e crescimento raquítico sob a pata corrupta e sanguessuga do PS sistémico, quase quinze anos a aprender como se leva um País à falência e quarenta anos por detrás do Regime, dominando-o, minando-o. Primeiro, os PS destroem Portugal, depois esperam competência e habilidade, cara de pau nos ministros eleitos para aparar a derrocada. Dizem que há ministros que já ninguém vê há semanas ou mesmo meses: dizem os PS que eles fogem das gargalhadas, das vaias. Nada mais obsceno que as lógicas PS e os veredictos PS sobre governantes que não eles. E por que motivo o BPI de Ulrich choca os PS com os seus «Ai aguenta, aguenta!» com muita mais austeridade e nunca se chocaram com o «Ai aguenta, aguenta!» mais dívida e mais dívida?! O banqueiro Ulrich corrupto não é e não vejo como sairá prejudicado no seu negócio por ter dito que nenhuma fuga em frente da Grécia salvou a mesma Grécia de ver pioradas as suas condições e a dos seus cidadãos e que nada há a fazer perante a obrigação estrita dos Estados em honrar os seus compromissos.  É precisamente a nossa Banca, no seu conjunto, a tirar máximo partido da Crise das Dívidas Soberanas, da Crise da nossa Dívida Soberana. Pagarmos a nossa dívida pública é pagar-lhes a elas, com o BES o primeiro quase já liberto do rating-estigma 'Lixo' e já à solta, fanfarrão, nos mercados. Os PS primários propõem boicotar o BPI como um «gesto anti-fascista»: se houvesse portugueses briosos em Portugal, boicotava-se o PS e as Esquerdas Escatológicas por um século ou dois: o parlamento votou um Orçamento trágico mas inescapável; depois de terem roubado e destruído Portugal, os PS querem que o País rebente para aliviarem as costas ao supremo filho da puta de Paris. Prefiro Merkel, meu amor, a qualquer veleidade com PS ao leme.

3 comentários:

Grego disse...

"De minimis non curat pretor"

Grego disse...

Existem dois cancros que definham impiedosamente este país: um é direita (sem excepções); o outro é a massa amorfa e ignorante (também sem excepções) que nela acredita!

José Domingos disse...

Estranho, não sabia que havia direita em Portugal.
A esquerda não deixa, mais os orgãos de formatação, que obedecem á voz dos donos, a esquerda.