sábado, junho 23, 2012

AO ABOCANHADOR ASTUCIOSO DUARTE

Meu Deus, Duarte, tu eras um animal de sacristia. Bem sei que te torceu as sinapses a leucemia, mas mesmo essa prova passaste e era gratidão e exemplo o que se te pedia. Tu, que eras organista nos coros altos e grandes naves e cuja verve era veloz e articulada como a máquina de fazer salsichas, fizeste o quê da pureza e da graça, abocanhador de heranças a viúvas, amantes e artistas?! Meu Deus, Duarte, em que bicho de irreconhecível avidez te converteste?! Preciso de uns óculos para a filhinha e umas hastes. Ela também ouve mal, troca os olhinhos de anjo, não lhe basto nem a mulher porque ganhamos só a paga do caminho e do gasto diário para a servidão-trabalho inútil e execrando. Faz-te um favor que nos dês, a dádiva-dom de um donativo. Alguns trocos hás-de ter para nós entre tanto papel de arder de que te fizeste cativo. Para cada Duarte que se faz à vida há milhares como eu que a têm sempre fodida.

1 comentário:

Vasco disse...

Desnivelados, aos pares, a sós ou em rebannho, abundam por aí. São cegos e surdos quanto às malfeitorias socratinas. Mas falam!E também escrevem! Paciência, são desnivelados, não são?