sexta-feira, junho 29, 2012

COITADO DO ÁLVARO. COITADOS DE NÓS

Parece ter sido afinal o Álvaro um dos primeiros a apanhar com as Fúrias e com os ventres bojudos do desespero legítimo ou não. Em cima do capot do popó público. Políticas que desconsiderem pessoas, liquidam pessoas. Deveria haver limites aos cortes e a muitas outras coisas feitas a correr. Mas também não houve limites ao endividamento. Se a actual execução orçamental inesperadamente desastrosa não estiver a ensinar alguma coisa a este Governo, metam explicador, tão afincadamente meteram a faca preconceituosa ao pescoço de funcionários públicos, os que estavam mais à mão. Por exemplo, os pretos dos contratados há décadas no Ensino parecem ser os senhores descartáveis que se seguem, segundo a actividade governativa cortante em decurso, vagamente assemelhada a política. Seja. Não há dinheiro e qualquer bode expiatório serve. Para além do apelo tolo a que emigremos, por que não sugerem que nos matemos?!

2 comentários:

floribundus disse...

se querem comer habituem-se à Troika

meirelesportuense disse...

Este foi um estado de alma muito bem comportado, imagine isto suceder por exemplo em Espanha?...Será que o Álvaro tinha saído do carro, ou será que o carro tinha saído dali?...
É o Português-Suave tão conhecido de todos nós, mas ainda bem que eu não quero violência.
Os que gostam tanto da Troika não sofrem os efeitos dela, a não ser que a sintam num sítio que eu cá não digo e até gostem muito...Sabem bem contornar os efeitos negativos, aumentam os encargos e eles aumentam os preços, aumentam os descontos, pagam e recebem por debaixo da mesa...E isto já o fazem há muito, há para aí muita gente com carro e casa que lhes é oferecida pela Empresa à conta de ordenado, por isso dizem que os outros é que devem pagar Impostos e são uns malandros que estão a dar cabo da Segurança Social...Portugal é um País de aldrabões!