sexta-feira, julho 06, 2012

NADA COMO IGUALIZAR A DESGRAÇA

Começa a ser muito difícil fazer fé no Governo Passos e no primeiro-ministro que deixa ao alto os interesses do costume e as gorduras privilegiadas que permanecem intocadas, enquanto o vimos lesto a ir-nos ao lombo. Custa-me que me custe viver, sobreviver e adjacentes na minha precariedade endémica-sistémica. Insuportável é que o mesmo PM admita que o meu pai, com setenta e quatro anos, possa ver suspensos os subsídios de férias e Natal, sessenta anos escravo e sempre a perder. Como é que nós, que somos nove numa casa, viveremos?!

Sem comentários: