quinta-feira, outubro 31, 2013

CONTRA AS LÍNGUAS DOS MALDIZENTES

Que a minha paz não esteja na boca dos homens
porque, quer me julguem bem, quer mal,
não sou por isso
outro homem.

Sem comentários: