terça-feira, outubro 29, 2013

DEJÁ VU

Eu simplesmente adoro ler Jorge Fiel, enfim, convergência de almas. Faz-me sentir como que intimamente compreendido e acompanhado neste enorme mundo minúsculo, árido e susceptível da blogopinião

… o Orçamento para 2014 surge no lugar do PEC IV. No protagonista, em vez de Sócrates, o animal feroz, temos o filho da mãe do Passos Coelho, que na versão original desta tragédia, que se repetirá como farsa (Marx avisou-nos…), esteve no papel do estupor do Brutus, agora desempenhado pelo Seguro, um gajo que se acha descendente da aristocracia do PS. A novidade na intriga são os juízes do Constitucional, que eu chamaria de bandalhos, mas como sempre fui a merda de um moderado limito-me a adjetivá-los de pistoleiros. Já sabemos que vamos continuar às voltas no lado mais violento e selvagem da crise europeia. O suspense está em saber se no final dos três anos de troika continuaremos a ser austerizados sob um moderado e curto programa cautelar ou sob um mais severo e longo segundo resgate. Estaremos encurralados neste círculo vicioso até perceberem que às vezes a única maneira de mudar de direcção é seguir em frente. 

Sem comentários: