sábado, outubro 12, 2013

GRIPE NA PONTE

Está tudo a postos para uma marcha como nunca Portugal viu, no próximo dia 19 de Outubro, na monumental ponte 25 Salazar-de-Abril. Na verdade, todos os fascistas como eu, os fascistóides como tu, fachosinhos e faschozões como são todos os que não se revêem na retórica e nos passes de exclusividade do PCP-CGTP, rebolarão de raiva e horror por terem dado força à luta da CGTP-PCP, escrevendo uns posts e tendo uns pronunciamentos malucos. Será, já é, um sucesso. Uma travessia daquelas a pé deve ser coisa para mais de uma hora e meia, porque uma pequena mole de duas mil pessoas leva o seu tempo para sair do ponto A e chegar ao ponto B. Isso coloca um problema sério de corrosão sobre a ponte pelos litros de mijo inevitáveis: uma ponte não é um poste qualquer atrás do qual se faz um chichizinho sem outras consequências. E no que tange a outras descargas-evacuações excretadoras de origem humana?! Quem se responsabilizará pelos detritos largados irresponsavelmente naquele enorme perímetro?! Transportará a Central Sindical latrinas móveis suficientes?! Arménio Espingardante e o conselho de sábios espingardantes não escutam a razão. Diante dos vários pareceres negativos à realização do protesto na Ponte Salazar de Abril, reiteram disponibilidade para dialogar, isto é, para cagar d’alto para o bom senso emitido pelas diversas entidades, colar ao peito e esperar que seque. Empatar o trânsito, arriscar o pêlo à chuva, ao vento e ao relâmpago não interessa nada. O que importa é não alienar o direito legal e constitucional de expressão e manifestação enquanto garantes da defesa dos direitos, liberdades e garantias que a dívida vai tragando. Se essas vozes cheias de testosterona e escândalo e essas manifs cheias de «Demissão!» e «Passos, escuta, és um filho da puta!» resultassem em invenção de dinheiro, prosperidade e vencimentos chorudos para sempre, eu seria o primeiro, todos os dias, a marchar de braço dado com os camaradas. Infelizmente, as marchas não produzem um parafuso, não colhem uma banana, não semeiam um tomate, não montam um iPad. Pelo patético não vamos lá.

Sem comentários: