domingo, janeiro 29, 2012

DA FAUNA CAVAQUISTA E DE OUTRAS FAUNAS

Se os cavaquistas não gostam de Vítor Gaspar é porque Vítor Gaspar é mesmo bom, qualquer coisa de administrativamente revolucionário e finalmente com pulso sobre a tibieza geral que nos tem apascentado até ao abismo. Vítor não os poupa, não é?! Não dá descanso a certas reformas de privilégio e a certos direitos adquiridos excepcionais, não é?! Cavaco Silva, que desrespeitou a nossa inteligência e a nossa penúria com a sua célebre e enjoativa sonsice, bem como os seus cavaquistas tíbios, não representa nada de bom para Portugal: Cavaco deu-nos as derrotas de Manuela Ferreira Leite. Ferreira Leite deu-nos a esterilidade depressiva do intelectual inconsequente Pacheco Pereira. Todos juntos deram-nos ainda mais derrota e ainda mais esterilidade, mais inacção e ainda maior falta de criatividade decisória. Os partidos políticos portugueses são reles. E em amor a Portugal são Zero. Reles e Zero em convergências decentes por Portugal. São partidos obsolescidos pelo vício da politiqueirice. Mesmo a CGTP acaba de ter uma recaída rumo a ainda mais obsolescência com o seu novo pateta espingardante Arménio. Nada se aproveita. Nada que envolva políticos ou sindicalistas serviu suficientemente Portugal por Portugal. Muito menos Mário Soares. Muito menos o Partido Socialista. Grande parte do PSD não é carne nem peixe, mas é o que sempre foi: estômago orçamental. Nenhum partido de desgoverno, ao longo dos últimos trinta anos, merece respeito. São os partidos do défice, da desactivação produtiva industrial, do abandono da agricultura, do desprezo das pescas, da dívida galopante, da carnificina fiscal. Não representam absolutamente nada de bom, consistente, duradouro e próspero para Portugal. Se, agora, esses cavaquistas defendem que o Governo deveria substituir o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, é sinal de que finalmente temos pulso e um caminho revolucionário para um Portugal que trabalhe muito, em que as pessoas digam o que podem fazer por Portugal, muito antes de exigirem seja o que for em matéria de direitos. Não sei se Vítor Gaspar é ou não é "um ultraliberal", se está ou não está a "dar cabo" do modelo social e económico construído após o 25 de Abril e no qual os três governos de Cavaco, de 1985-1995, tiveram um papel tumular: sei é que, por acção, omissão ou demissão, Cavaco, Sócrates, PS e PSD, têm-nos sido absolutamenhte daninhos. Não haverá quem os evacue?!

1 comentário:

Anónimo disse...

Gostei bastante de ler o seu comentário e até já o partilhei no Face. Parece que estava toda a gente com medo de falar claro sobre estas vergonhas ...Ainda não ouvi os comentaristas do costume... além do prof Marcelo, sempre contido.
Obrigada. Destressei!!!!