quinta-feira, janeiro 26, 2012

MORTE NA BARRAGEM CRIMINOSA DO FOZ TUA

Deplore-se profundamente a morte de três trabalhadores, hoje, esmagados numa derrocada, nas obras da errónea e labrega barragem de Foz Tua, em Carrazeda de Ansiães, distrito de Bragança. Deplore-se ainda mais a criminosa iniciativa de a construir, que emergiu de excelsos cornos e do canhestro gabinete de des-pensamento, com que se des-pensa e despreza o demais País para pensar somente ou estritamente em Lisboa.

4 comentários:

Miguel disse...

As encostas do Tua nos últimos 20/15Km são muito íngremes, apesar de nos últimos três quilómetros (zona do paredão) serem mais abertas. Com as explosões que eles estão a fazer, com o peso das máquinas e com aqueles caminhos tão íngremes era difícil não acontecer isto. Paz às suas almas.

floribundus disse...

não interessa proceder
a 'rigoroso inquérito,
a culpa é sempre do morto'

conforto citadino

Anónimo disse...

Labrego és tu, meu animal! Deves deplorar muito a morte dos 3 trabalhadores, deves... Vai mandar postas de pescada sobre outra coisa mais esotérica ou o caralho, palhaço

O António Maria disse...

Ignore o azeiteiro anónimo filho da puta: Responsabilizem o senhor Mexia, o senhor Sócrates, o senhor Zorrinho, e já agora, a senhora (sa)Cristas pelo sucedido! É assim que deve ser em democracias dignas do nome que ostentam!

Estamos fartos de insistir na bestialidade desta obra, na sua inutilidade económica (1), no peso insustentável que tem para o agravamento da dívida pública portuguesa e portanto para o aumento da probabilidade de bancarrota do país. Quando é que a corja partidária acorda?!

A opinião pública deve mobilizar-se para responsabilizar económica e criminalmente os responsáveis políticos por este desastre, e pelos desastres que se avizinham no futuro — desde logo, o da mais do que provável perda da classificação dada pela UNESCO ao magnífico vale do Douro, com particular relevo para o Alto Douro e a Região Demarcada do Vinho do Porto.


POST SCRIPTUM: a instabilidade na zona de obras da barragem (não previsto no estudo de impacto ambiental, que eu saiba) é óbvia e conhecida há muito. As cargas de dinamite e as grandes amplitudes térmicas da região concorrem para o aparecimento de fendas e quedas de rochas.

Ler mais em http://o-antonio-maria.blogspot.com/2012/01/edp-criminosa.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+blogspot%2FMhSe+%28O+Ant%C3%B3nio+Maria%29