domingo, setembro 30, 2012

AS CHEIAS DE 1967

«Mas havia prisões políticas, violência, tortura. Claro que havia. Os comunistas e, até uma dada fase, os anarco-sindicalistas eram os principais alvos. Os socialistas e os republicanos dos cafés da Baixa eram mais ou menos tolerados, ou pelo menos controlados. O que eu quero dizer é que até no uso da violência o regime era pequenino e selectivo, paroquial. E o regime nem sempre foi linear durante os seus 48 anos. Basta ver, por exemplo, que na última fase do marcelismo, desfeita a esperança de abertura, houve um claro endurecimento, até por reacção à luta armada e ao movimento estudantil. A censura foi uma constante. Neste momento estou a preparar uma investigação sobre as cheias de 1967, que foram a maior tragédia natural que se abateu sobre Lisboa depois do terramoto de 1755. Na altura, nada se pôde escrever. Morreu mais de meio milhar de pessoas em pouco mais de uma noite - e quase meio século depois não há um único livro, não há sequer um artigo científico sobre isso.» António Araújo

4 comentários:

Anónimo disse...

Muita paciência e tolerância tem V. Exa. para passar no seu importante blog esta arenga dum "socretino" o que se vê logo só pelos erros ortográficos.Se o Senhor reparar bem, o que lhe interessa não são as cheias de 1967, mas dizer mal do Estado Novo.De casos como este está a net cheia. Por exemplo há blogs que passam o tempo a criticar a governação sócrates, porém o seu objectivo, isto é, aquilo que lhe mandaram que fizessem era incutir a criminosa ortografia que o sócrates mais os seus sicários quiseram impor ao Povo Português. Para isso não podiam sair em defesa da governação passada porque ninguém os lia; têm que fingir de críticos desse poder que é para as pessoas leram o que escrevem pois o objectivo deles é ir impondo ao Povo Português essa aberração ortográfica."Mostra-me a tua ortografia e eu digo-te se és socretino" Repare que até há para aí uns que se intitulam de professores a fazer isso, como se um professor verdadeiro pudesse embarcar em tamanha monstruosidade.

Karocha disse...

E "Alcafache"?
Na altura falou-se que tinha sido o maior desastre de sempre na Europa e, depois calaram-se todos até hoje!!!

JotaB disse...

Recordo que a revista Paris Match da altura, publicou um importante reportagem sobre o trágico acontecimento.

Anónimo disse...

Anónimo, que excelente oportunidade de ficar calado. É pena essa incapacidade de ler, ou saberia que se trata de um historiador de direita, consultor de Cavaco Silva. Não há como ter cassetes na cabeça para não a usar a receber qualquer informação.

Inês Meneses