quinta-feira, setembro 27, 2012

O CANCRO CORTA NO CANCRO

Sinais de decadência luso-global: se para Sócrates, grande vítima dos preconceitos, das difamações, das calúnias, dos assassinatos de carácter e das campanhas negras, não valesse tudo para meter dinheiro ao bolso à custa do desastre nacional, talvez o mais sagrado dos deveres do Estado, a Saúde, fosse poupado a cortes cegos. Ganha a Banca. Perdem os doentes. 

Sem comentários: