segunda-feira, setembro 24, 2012

CIGARRAS FRAUDULENTAS DA POLÍTICA

Percebo a intenção de Miguel Macedo, ao elogiar a via sacra do Povo para ultrapassar uma crise agudizada por longos anos de cigarras socialistas canoras, impantes de autoglorificação, grandiloquentes de optimismo furado e fraudulento. Foram mais de dez anos, de facto, com poucas formigas, sem crescimento do PIB, item que por exemplo Guterres, sendo Primeiro-Ministro, desconhecia imperdoavelmente, anos em que com, desavergonhada evidência, todas as cigarras socialistas da política prosperaram na proporção inversa à prosperidade de Portugal e dos portugueses. Por que será?! Porém, discursos como os de Paulo Macedo só se aceitam na sua profundidade completa com bons exemplos vindos de cima e com Justiça em cima do lombo vergonhoso dos que enriqueceram enquanto cigarras da retórica charlatã e das comissões pessoais em negócios de Estado. A vida está demasiado boa e demasiado fácil para José Sócrates e os seus agentes provocadores. Até quando?

Sem comentários: