sexta-feira, setembro 21, 2012

UMA ESTRELA CADENTE E LAMBISGÓIA

Tenho tido azar quando apanho demasiado Pedro Marques Lopes nos media. De repente, lá me acontece levar com a sua voz esganiçada de castrato na TSF, ou levar com ele a rir, sempre risonho e sempre ridente, de coisas sérias no Eixo do Mal. E é pena porque comecei por gostar dele, portista e alaranjado do ponto de vista da social democracia. Hoje desilude-me. Às vezes digo-lho no Facebook. Ele assume a voz nula e demagógica dos demagogos e parciais que não olham para as terríveis responsabilidades dos Governos passados. À vista dos problemas gerados pelos últimos actores governativos, o Pedro fecha os olhinhos, nada diz, nada acusa, insiste em quimeras estado-sociais num registo delico-doce sem apontar com igual dureza ao que falha no presente, todos os antecedentes da decisão demagógica do passado. Porquê? Porque não foi incluído entre os assessores automáticos do passismo-coelhismo. Logo, passa-se com armas e bagagens para a ala mais apostada no fracasso passista como saída e álibi perfeitos para ilibar o Devorista Sócrates. Triste papel, Pedro. Por isso mesmo, não encontro decência na tua intervenção pública facciosa, colada ao pior do argumentário rançoso da ala socratista do PS. Tu, Pedro, já não opinas. Colocas a tua voz de hiena lambisgóia e fazes coro com o comentador ultrassocialista Pedro Adão e Silva. Quando, sobre a governação Passos, o Adão diz mata, tu, Pedro, dizes esfola. Portugal não estaria nesta tão desgraçada situação se a verdade e a verticalidade norteassem políticos e comentadores.

2 comentários:

Anónimo disse...

Há muito que não os ouço.
Não há pachorra. Configuram um par de jarras muito Kitsch!!!!

Anónimo disse...

Este, pelo menos, tem a hombridade de admitir que votou mal.