terça-feira, setembro 04, 2012

PORTAS, SÓCRATES E O DIABO

Há uma diferença abissal entre o político Portas e o ex-político, o grande javardo cevado pela política, Sócrates. Toda a gente sabe que para este último sacar o máximo de dinheiro à conta da sua posição de poder era normal, habitual, corriqueiro, quer como ministro quer como Primeiro-Ministro farronca, e mesmo hoje Cândida Almeida se arrepela de estupefacção e escândalo perante a vida de luxo que o mega-enriquecido ilícito leva por Paris sem saber ela [ou sem querer saber!] por onde lhe pegar. Nenhum dos lixos curriculares deste último foi esclarecido. Nenhum. Portas, pelo contrário, trabalha arduamente por amor de Portugal. Não tem fama de demagogo. Não tem fama de manipulador, de ávido comissionista político ou chantagista. Pode ter tido tentações, mas não tem todo um trajecto de suspeições opacas por esclarecer e não consta que tenha acumulado balúrdios de dinheiro instantâneo para viver como um Nababo Filho da Puta Impossível em Paris. Sócrates só nos dará descanso quando bater justificadissimamente com os costados numa cela, apanhando castigo público, um Auto de Fé com escarros e apupos, por não passar de  um desbragado ladrão, um refinado pantomineiro de quem paradoxalmente não se fala, e cujos actos daninhos, parece, não aviltam nem escandalizam as vítimas, hoje esbulhadas, hoje desempregadas, hoje transformadas em resíduos, tratadas como lastro e convidadas a debandar do País pelos timoneiros do défice. Portas é só Portas. O Diabo sai a perder numa comparação de igual para igual com aquele que trocou optimimisticamente a sorte negra de um Povo pela saciação absoluta de si mesmo.

2 comentários:

Anónimo disse...

O que é que andas a fumar? Tá a bater fundo!!

Anónimo disse...

Vai falar ao Portas, pode ser que ele te empregue.
Agora toma uma aspirina e vai dormir, cabrão.