sábado, maio 18, 2013

REAL DESEQUILÍBRIO EMOCIONAL

Na avaliação de uma época atípica, sob a enxurrada passional dos ódios e dos conflitos semeados sem a colheita habitual, Mourinho terá de pesar a razão de fundo para tanto desequilíbrio emocional: feridas, fissuras inauditas abertas com jogadores, com quebras de lealdade e de sigilo de parte a parte. O que surpreende nisto é a gestão violenta e acutilante do português, contra tudo e contra todos, porventura não se iludindo com absolutamente ninguém. No entanto, apostaria todas as minhas fichas no factor 'recomposição da sua equipa técnica'. Ao perder Rui Faria para o FC Porto, época 2013-2014, talvez alguma coisa se fosse perdendo pelo caminho, especialmente foco e liderança. Nunca se sabe. Nunca se saberá?

Sem comentários: