quinta-feira, fevereiro 16, 2012

ARMÉNIO DEVERIA IR A PARIS NAMORAR

Por que motivo o palhaço Arménio Fóssil não vai a Paris pedir conselhos ao Sócrates que deve estar radiante com a ideia de ver o mais acabado louco, inflamado de fervor orginário, a foder ainda mais o País com paralizações, retórica, treta a rodos e montes de merda, como no abrilismo embusteiro?! Teríamos dois: Sócrates e Arménio. Um lixa Portugal pelas décadas e sai a rir. Outro lixa Portugal quando lhe dá na veneta, para descargo de consciência de classe e dos piqueniques da luta. Já agora, Pedro Elvis Mouth Silva Pereira, hoje convenientemente seráfico, repleto daquela bonomia de mega-aposentado, vem defender as virtudes curativas do famigerado PEC IV, em entrevista à RTP, e admite conversar amiúde com o mentor Primadonna. Por que não se organiza uma higiénica comissão de inquérito ao quadriénio fatal 2008-2011, só para ficarmos conversados acerca de responsabilidades pelo Estado de carência actual?!

3 comentários:

floribundus disse...

a minha magra carteira sente-se insultada ao ouvir estes intelectuais

Vasco disse...

Postar um membro do comité central do PCP à frente da CGTP (e mais uns tantos camaradas em posições chave) deixa perceber a quem serve a Central Sindical. Esperava melhor do PCP. Mostraram alguma esperteza ao inventarem o Partido ´Os Verdes` que lhes duplicou o ´tempo de antena` no Parlamento e quando de eleições. Agora desiludiram-me. Podiam fazer um esforço para disfarçar…
É evidente que aos comunistas interessa as greves, quantas mais melhor, a confusão, o caos. Mas estou convencido que o ´Povão` os não vai acompanhar.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Porra !
Chamar palhaço ao Arménio é ir um bocado longe demais.

Na tropa aprendi que "á vontade, não é à vontadinha", e isso quase que se aplicaria aqui na integra.

E como se não bastasse o despropositado impropério, compará-lo com Sócrates é, no mínimo, demonstrativo de falta de conhecimento sobre a vida e a carreira do sindicalista Arménio Carlos.

Não concordar com greves e manifs, entendo, até eu, ainda que por motivos diametralmente opostos, não tenho concordado com as últimas acções de luta (acho que estão demasiado brandas e sem criar a "mossa" necessária), mas este homem, Arménio Carlos, tem dado boa parte da sua vida a uma causa nobre como é o (verdadeiro) sindicalismo.
Chamá-lo palhaço, por defender o bem estar para os outros ...

Não me caiu bem, pronto !