sexta-feira, fevereiro 17, 2012

AVARA LIÇÃO DE DESPRENDIMENTO

A avidez de Wulff ditou que acabasse nessa forma de derradeiro ou supremo desprendimento que é a demissão. Em Portugal, especialmente com socialistas como titulares [logo donos de tudo e de todos], parece que a coisa é mesmo vitalícia. A ética republicana só se aplica aos outros. Mas, enfim, temos Wulff a lembrar que caminhos novos podemos tomar: «Tendo em conta os acontecimentos dos últimos dias e das últimas semanas, não posso continuar a exercer o cargo». Nada melhor para refrescar as coisas.

Sem comentários: