domingo, fevereiro 19, 2012

O DOCE PLAYBOY PARISIENSE JOSÉ SÓCRATES

Estúpida e falaciosamente, a fonte que assume o argumentário autodefensivo do playboy parisiense José Sócrates só não diz como, na situação desesperante para que os seus governos conduziram Portugal, se evitaria efectivamente o pedido de ajuda externa, só diz as suas consabidas consequências. Chama-se a isto o silogismo do diabo. Porque ser capaz de dizer isto: «Vemos hoje tudo o que perdemos por ter pedido ajuda externa: níveis de desemprego, de falências, ratings da República, dos bancos: quantos anos vamos demorar a regressar aos níveis de há um ano?», mas não dizer dos excessos despesistas em que se laborou devoradoramente em ânsias eleitorais e derivas amiguistas nos ajustes directos e nas PPP coveiras, só mesmo dentro do âmbito das coisas infernais. Porém, nesta história, como Passos não invoca o passado, deve ser porque o quer absolver. Enquanto Sócrates e o bando não tiver um processo e não forem escalpelizadas as suas contas, nunca teremos aprendido a lição.

4 comentários:

Dark disse...

Nunca, desde o 25 de Abril, se intentou um processo contra um político de elite, pois todos eles têm rasca na assadura e como tal, não se atacam entre eles. Como a Justiça portuguesa foi tomada de assalto por gentinha mal formada e sem escrúpulos, sem primeiro haver uma limpeza "Tide" nas diferentes instituições, os lúgubres e nefastos laços de influência entre o poder executivo e o poder judicial, manterão este podre "status quo". Quando algum magistrado com força, decidir fazer alguma coisa, então talvez se comecem a tirar os cadáveres dos armários, mas passarão por Mário Soares e a sua comandita, Cavaco Silva e a sua comandita e José Sócrates e a sua comandita.

João Sousa disse...

O refugiado Pinto de Sousa pergunta quantos anos serão necessários para regressar aos níveis de há um ano. E quantas décadas serão necessárias para regressar aos níveis de antes-de-sócrates?

Anónimo disse...

Quanto a ajustes diretos devo dizer-lhe que anda mal informado. Desde ajustes diretos para contratar motoristas, fazer livros que não servem para nada e muitas mais que se der ao trabalho de ser honesto e investigar antes de escrever. Não gosto de quem lá esteve mas gosto de ser honesto nas minhas considerações.

André Miguel disse...

Portugal actualmente é uma sociedade de castas, com os políticos à cabeça. A mudança que sugere leva gerações, mas pode começar com a nossa, habituada que está a levar "porrada"...