segunda-feira, junho 17, 2013

LAGARDEOMASOQUISMO

As instituições internacionais não são compostas por anjos nem por gente destituída de ambição nem que seja pela passiva. Tal é certamente o caso da directora-geral do Fundo Monetário Internacional e ex-ministra da Economia francesa, Christine Lagarde, suspeita de cumplicidade no desvio de fundos públicos no chamado Escândalo Tapie. A ser verdade a carta dirigida ao Presidente Nicolas Sarkozy em que lhe jura fidelidade, está tudo ligado, sendo que figuras como estas tanto fazem o mal como a caramunha, tanto se prostram em submissão como falam grosso. A carta fora encontrada pela polícia em sua casa dirigida ao antigo Presidente francês. Por um lado, como ministra, Lagarde recuperou milhares e euros para o Estado Francês em activos nos processos por corrupção, por outro, terá fechado os olhos a outras tantas situações em função das amizades e lealdades sarkozianas: “Querido Nicolas, de forma breve e respeitosamente, estou ao teu lado para servir-te e servir os teus projectos para França. Utiliza-me como te convier e como convier ao teu projecto. (…) Se me utilizares, necessito de ti como guia e do teu apoio: sem a tua condução poderia ser ineficaz, sem o teu apoio seria pouco credível. Com imensa admiração, Christine L». Sarkozy, Berlusconi, Sócrates padecem do mesmo vírus-vício do Poder enquanto reserva exclusiva: não há limites nem meios a evitar para alcançar determinados fins. Portugal e Itália livraram-se relativamente bem desse fermento nojento. Tragicamente, no caso francês teria sido melhor ficar tudo como estava para não se assistir à triste procissão de impotência, ridículo e impopularidade proporcionada por Hollande, o milagreiro furado da Esquerda local.

1 comentário:

Anónimo disse...

Só um comentário breve.
Então lá em França ninguém grita contra a violação do segredo de justiça, que a divulgação da carta pelo Le Monde claramente representa?
E os indignados portugueses - sempre tão céleres a acusarem as autoridades judiciais portuguesas de violarem o segredo de justiça (o que fazem sem provas)não mandam um abraço de solidariedade à Madame Lagarde?