quarta-feira, junho 12, 2013

ESQUERDOFAGIA DA ECONOMIA

Perante o espectro de Greves Gerais, uma tentação atoleimada, e outros bloqueios suicidários da economia portuguesa, numa situação tão crítica, está em causa muito mais que a cor de quem governa ou mesmo a qualidade de quem governa. Está em causa Portugal e o esforço de quem rema pelo trabalho contra a realidade e as graves consequências sociais da nossa história recente. Nem desprezo deplorável seja por quem for, nem estigmatização seja de quem for, apenas riscos graves para a sobrevivência do Estado Português. Com o vazio e a vaidade dos vampiros, Soares quer derrubar o Governo. O PCP, um fóssil político, quer derrubar o Governo. O BE, a anacronia em forma de partido, quer derrubar o Governo. A rua, tímida e hesitantemente, pode achar maravilhoso mudar de Governo. É uma tentação. Resta saber se isso nos interessa mesmo. Se o caos nos interessa. Se a fuga de capitais nos interessa. Se o desânimo nos interessa. Se a dissolução completa nos interessa. Nunca estivemos tão próximos da catástrofe esquerdista do pós-25 de Abril: «Em Julho de 1974, escassos três meses após o 25 de Abril, esta mentalidade estava já enraizada nas elites que tinham tomado o poder e as manifestações diárias dessa nova forma de encarar Portugal e os nossos problemas provocou um fenómeno recorrente em todos os lados onde uma Revolução desse género surge: os ditos ricos fogem de quem os persegue, naturalmente. E com eles procuram levar o pecúlio que amealharam. Tal aconteceu em Portugal, nesses três meses e de tal modo que a economia se ressentiu imediatamente e de um modo catastrófico. A confiança, motor principal da actividade económica, desapareceu.» josé

1 comentário:

Floribundus disse...

os sociais-fascistas da fenprof e os fascistas-xuxas andam nas escolas a tentar obrigar os profs a pagarem o salário dos grevistas
os cabrões andam na miséria. ‘porreiro, pá!’