sábado, fevereiro 04, 2012

COMO DESPEIDAR PORTUGAL DA MERDORTOGRAFIA?

Lei? Mas qual lei se a Língua Portuguesa foi efectivamente mal-tratada e espezinhada pelo directório unilateralista de políticos deslumbrados num passado recente? Aqueles que nos conduziram à pré-bancarrota, também nos conduziram à Babel da TLEBS, e ao crime do Aborto Contraceptivo e à Parque Escolar e trucidaram o Estado com negócios em benefício próprio? Não há lei que blinde políticos trapaceiros dos seus actos ou vincule eleitores crédulos que foram votando nos embustes PS e PSD ao longo de décadas. Não nos falem em lei e em lealdade ao primeiro-ministro: fez bem, muito bem o recém-empossado presidente do Centro Cultural de Belém (CCB), Vasco Graça Moura, com a circular interna, na qual dá instruções aos serviços do CCB para não aplicarem o Acordo Ortográfico (AO) e para que os conversores – ferramenta informática que adapta os textos ao AO – sejam desinstalados de todos os computadores da instituição. Desemerdar a Língua teria de começar por algum lado, desde logo pela despeidação merdortográfica do CCB.

2 comentários:

Anónimo disse...

É só elegância discursiva...

linus disse...

Entendo bem a linguagem expressiva!! É dar uma vista de olhos ao inqualificável VO(L)P, disponível num site patrocinado pelo governo português (Vocabulário Ortográfico Luso-Português) e só apetece vomitar diante de tanto escarro no papel! E, ao contrário de Fernando Pessoa, não se sente nojo, independentemente da pessoa que escarra aquele vocabulário! É ad hominem mesmo!

E a petição-manifesto contra o Aborto Ortográfico?! Tem quase 128 mil assinaturas (continua a recebê-las) e não há ninguém que obrigue o governo, ao menos, a referender urgentemente esta questão?!