segunda-feira, março 26, 2012

EVERYBODY FUCKS HIM BUT HE'S 'CLEAN' AND COOL

No caso Freeport há muitos meses que cheira à nojeira da verdade, apesar do exercício de estrabismo a que se entregam Miguel Sousa Tavares, Daniel Oliveira e algum Marcelo, para não falar de Marinho e Pinto e outros hoje com o credo e o terror da «judicialização da política» na boca: «O irlandês William Mckinney, ex-dono dos terrenos da antiga fábrica de pneus da Firestone onde foi construído o empreendimento, disse, por videoconferência, ao Tribunal do Barreiro, onde decorre o julgamento, que Charles Smith lhe contou que as negociações estavam a ser feitas em “grande segredo” e que nem os funcionários do Freeport estavam a par das conversações com José Sócrates.» Público

1 comentário:

Daniel Santos disse...

Quando a coisa aperta para uns são chamados fantasmas antigos para criar polémica e desviar atenções.