quinta-feira, março 22, 2012

MST, BOVINIDADE PONTEAGUDA E SECTÁRIA

Preconceituoso e repleto de tendência, Miguel Sousa Tavares sabe muito. Isto a propósito do reparo justíssimo que Manuel Maria Carilho lhe faz devido à maldosa insistência encomendada daquele na ideia do cargo da UNESCO «como o mais apetecível». Não se pode estranhar a bovinidade ponteaguda e sectária do cronista Miguel, para quem o Caldeirão gigantesco de José Sócrates só pode parecer uma colherinha para chá e iogurte: «Miguel Sousa Tavares diz tantas vezes a mesma coisa, que a única conclusão a tirar é que, mais do que pensar, ele rumina. Do jornal para a televisão, e vice-versa, nada mais simples do que adivinhar o que vai dizer: é sempre o mesmo. A sua crónica do fim de semana passado revela, contudo, sintomas preocupantes: é que à custa de tanto reciclar crónicas anteriores, MST já ganhou reflexos condicionados, de tipo pavloviano: por mais a despropósito que seja, sempre que escreve "Unesco", logo a seguir dedilha "o mais apetecível tacho" do Estado para, imediatamente (e ainda mais automaticamente), acrescentar o meu nome. Já vamos para aí na décima repetição do mesmo... e fala ele de "tachos"!» MMC

1 comentário:

bibónorte disse...

MST é um vómito!