domingo, março 11, 2012

TAVARES, CRESPO, MARINHO

Sou um leitor de Crespo, quando o apanho a jeito, e do Sousa Tavares que escreve n'A Bola. Só. O Sousa Tavares do Expresso bem como algum Expresso de parangonas manhosas, envenenantes e facciosas, não me é de todo legível à luz do que hoje sabemos da pré-falência made by Sócrates ou do desastre-traste global socratista. Os romances de MST têm gralhas e displicentes problemas de Português, o que me desmobiliza deles às primeiras sessenta páginas, habituado que estou a impecabilidade editorial e a obediências canónicas preposicionais e outras que constam compendiadas nos Prontuários pré-Aborto Merdortográfico. O Sousa Tavares fora d'A Bola fez algures na sua vida uma opção duplipensante, que o leva a fustigar professores e a indulgenciar políticos sem escrúpulos à testa dos quais está o Primadonna Playboy Parisiense. Ninguém como MST para lhe pôr opinativamente a mão por baixo, o que recorda a eficácia de jantares como o de Pina com o Primadonna Playboy Parisiense no investimento manhoso em manhosos captatio benevolentia de cronistas e opinadores mais lidos e prestigiados. Sou dos que estranha a compaixão selectiva do MST por políticos. Escandalizo-me porque nada é mais trágico que a selecção de verdades e a cirúrgica fuga dos factos. Daí que intuitivamente suspeite que Crespo e Marinho estarão por cima, nesta polémica menor com o Expresso, braço de um sem-número de gratidões e amizades com sinal xuxa nítido. 

Sem comentários: